sábado, 27 de novembro de 2010

Fradim do Henfil!

Vez por outra, escolho uma das coleções para fazer uma leitura rápida, rearrumar os exemplares, e muitas vezes para relembrar o porquê de ter colecionado determinada revista.
Hoje a escolhida foi a revista Fradim.
Para quem não sabe, Fradim foi uma revista de autoria do Henfil, irmão do Betinho (sociólogo) e José Mário (músico). Não vou falar do destes, pois basta pesquisar seus respectivos nomes em qualquer sites de busca, que vão entender porquê.
O Henfil foi o criador do símbolo máximo da torcida do Flamengo, o Urubu (1969).
Seu auge criativo deu-se no Jornal O Pasquim que já falamos no blog anteriormente, e onde publicou anteriormente Os Fradinhos (Baixim e Cumprido), inspirados em dois padres franciscanos.
O sucesso dos personagens juntos aos leitores do Pasquim, levaram o Henfil a lançar a revista em 1971, em formato tablóide (igual ao Pasquim).
Até o exemplar  número 6 eram 36 páginas e em formato americano. A partir do 7 adotou o formato tablóide e a revista passou a ter 52 páginas. Durou 31 edições, por onde passou além dos Fradinhos, O Zeferino, A Graúna, O Bode Francisco Orelana, a Onça Glorinha. Por suas páginas o Henfil "derramou" seu talento e senso crítico único.
As críticas eram tão inteligentes, que as histórias quando lidas hoje, parecem ser tão atuais.
A revista não tinha uma periodicidade constante. Entre a edição 6 (Fevereiro de 1974) e a 7 (Março de 1976), foram dois anos. Não sei se pelo motivo do Henfil ter ido para os Estados Unidos, onde ficou de Outubro de 1973 até Julho de 1975. Alguns números tinham intervalos de um mês entre os lançamentos e outros de dois meses. A chegada da revista nas bancas representava um grande esforço do autor. No número 30 a chamada para o próximo número saiu assim: "ATENÇÃO! Ufa! Fradim 2 de Novembro nas bancas JURO POR DEUS!"
O último número foi publicado em Dezembro de 1980. Foi-se a revistas, mas ficaram os personagens, ainda hoje publicados em jornais do Brasil afora.
Existiu uma segunda edição do exemplar 1 , que informa na capa "Sem Censura", pois na primeira edição ocorreram cortes por parte da censura na época.
Os números mais raros são as edições 1 e 2 da primeira edição. Os preços variam de R$ 10,00 a R$ 60,00.
Podem ser encontrados edições encadernadas pela própria Editora (CODECRI), com exemplares a partir do número 7.
No número 21 a famosa entrevista do Henfil a Revista Grilo antes de viajar para os Estados Unidos.
Duas seções da revista eram muito elogiadas pelos leitores: "Cartas de Um Subdesenvolvido" e "Fala Leitor!".
Ao Henfil e muita gente boa que partiu, minha sincera homenagem! Curtam as capas das revistas!




























Um comentário:

  1. Observando capa por capa, já é possível identificar o humor ácido contido dentro destas páginas únicas! Que inveja de você, meu chapa! Continue com as ótimas postagens!

    ResponderExcluir