sábado, 19 de julho de 2014

Júlia Kendall em 1957! Ou Audrey Hepburn em 2004!

As imagens são tão belas que resolvi dividir com os fãs da Júlia!
A paixão do Giancarlo Berardi pela atriz Audrey Hepburn nos premiou com uma das melhores revistas em quadrinhos de nosso tempo!
Imagens da revista nº 1 da Júlia lançada no Brasil em Novembro de 2004 e Audrey Hepburn na revista Cinelândia de Fevereiro de 1957!
Lindas não!







domingo, 29 de junho de 2014

Jornais da ABI e as Homenagens aos Quadrinhos e Caricaturas!

Para quem gosta de Quadrinhos! Edições sobre quadrinhos em Jornais Especializados!
O Jornal da ABI - Associação Brasileira de Imprensa, publicou em anos diferentes 3 belas edições, que tratava de quadrinhos!
Foram edições Especiais com a Cronologia dos Quadrinhos no Brasil e  no mundo (foram 2 edições) e uma comemorativa dos 170 anos da Caricatura no Brasil!
Edições em papel jornal muito caprichadas!
O interessante é que tratam das publicações Brasileiras e também seus criadores!
São fáceis de se encontrar disponibilizadas na internet, mas difíceis de se encontrar os originais!




quarta-feira, 25 de junho de 2014

Comemorações no MUSEU DOS GIBIS!


O Blog fez aniversário em 25 de Abril de 2014 ( 4º aniversário).
O "braço financeiro" do Museu fez 2 anos agora em Junho 14!
E nosso maior orgulho neste período e ter chegado a 5.000 vendas com 100% de satisfação de nossos clientes.
Orgulho, porquê é o que a maioria das empresas no mundo buscam! A satisfação 100% dos clientes.
Não fizemos nada diferente para alcançar este recorde, apenas tratamos nossos clientes como gostaríamos de ser tratados!
Com respeito, ética, e justiça!
Esperamos comemorar aqui as 50.000 vendas em breve!
Estamos preparando o Museu para um "salto" no braço financeiro!
Esperamos em breve ser a maior empresa de negócios de revistas em quadrinhos do Brasil!
Não estamos poupando esforços e recursos para que isto aconteça!
Temos um verdadeiro "batalhão" de pessoas (umas duas ou três) estudando e criando oportunidades para fazer acontecer!
Temos a mais absoluta certeza que chegaremos lá!
E para isto, continuamos contando com vocês!
AMIGOS (chegamos ao patamar que nossos clientes são agora nossos amigos) OBRIGADO PELA PREFERÊNCIA!

MUSEU DOS GIBIS
http://eshops.mercadolivre.com.br/museudosgibis/


terça-feira, 24 de junho de 2014

Cirandinha! Revistas para Meninas! E as duas edições com número 16!

Em Abril de 1951 chegava as bancas de jornais do país a revista Cirandinha! Uma revista para meninas já dizia o editorial do diretor Antônio A. de Souza e Silva.
A revista obteve relativo sucesso e ficou em nossas bancas até o ano de 1957!
Durou 81 edições????? e 2 Almanaques!
Por suas páginas os talentosos ilustradores do Tico-Tico Luiz Sá, Giselda Melo, Edmundo Rodrigues, Boechat e outros feras!
O título da revista foi inspirado em uma cantiga de roda que era cantada e dançada por várias crianças ao mesmo tempo. A cada repetição da música uma criança ia para o centro da roda.
Não se sabe quem é o autor da canção, apenas que a ciranda é uma dança folclórica que nasceu na ilha de Itamaracá (Pernambuco). Era cantada pelas mulheres dos pescadores para se distraírem enquanto voltavam do mar. Foi passada de geração a geração e ainda hoje se vê cantada em algumas regiões do Brasil! A letra está abaixo:

Ciranda, cirandinha, 
Vamos todos cirandar! 
Vamos dar a meia volta, 
Volta e meia vamos dar. 

O anel que tu me destes 

Era vidro e se quebrou; 
O amor que tu me tinhas 
Era pouco e se acabou. 

Por isso, menininha 
Entre dentro desta roda, 
Diga um verso bem bonito, 
Diga adeus e vá se embora.

Mas voltando a revista, tinha quadrinhos (Maria Fumaça do Luiz Sá, Caxuxa da Giselda Melo, Cecy a menina boazinha do Boechat)! Passatempos, brincadeiras e recortes e outras distrações para o universo feminino!
Agora um fato interessante para os colecionadores é que a coleção teve duas edições de número 16.
A edição de número 15 saiu em Junho de 1952, um 16 em Julho de 1952, a segunda número 16 em 
Agosto de 1952 e em setembro de 1952 a edição 17 como se nada tivesse acontecido.
E daí a revista continuou até a edição 81 ou 82 como queiram!
Abaixo imagens da edição nº 1 e as duas edições de número 16 e mais algumas amostras dos desenhos! Raras! 












domingo, 11 de maio de 2014

O que muda com a chegada do Ebay no Brasil! Ou O Fim do Monopólio do Mercado Livre!

A cada dia o Ebay toma uma ação para iniciar sua operação no Brasil!
Começou com roupas e tradução para o português de suas páginas.
E começou ainda que timidamente a aceitar anúncios de vendas de brasileiros.
Agora o que isto tem de relação com o Mercado Livre?
Tem muita coisa, primeiro que a liderança (quase monopólio) do Mercado Livre vai sofrer revés.
O Mercado Livre no Brasil opera no Brasil de um modo muito complicado de relacionamento com seus clientes, tanto compradores como vendedores.
Atua de uma forma a não se submeter as leis em vigor do código de defesa do consumidor.
Quem está lendo aqui que utilizou e nunca teve um problema com suas compras ou vendas?
E consegue resolver? Nem sempre! As opções de contato não são claras e dão opções ao contato do outro lado tirar conclusões, quem acabam não sendo justas para nenhuma das partes.
Eu por exemplo posso falar com a experiência de 8 anos utilizando a plataforma (simplesmente porquê nunca tive outra opção)!
Após utilizar o Mercado Livre por 6 anos como comprador tendo problemas desde o "roubo" de senhas (as mais complexas possíveis) até a perda de valor pago a vendedor (onde este informou um código de envio do produto) e nunca recebi, mas o Mercado Livre não estornou o valor e simplesmente me enviou uma mensagem para resolver com o vendedor! No final perdi o valor pago.
Pensando nisto vislumbrei uma oportunidade de atuar no ramos de HQ's e Mangás e se tornar líder da categoria, simplesmente atuando de forma ética e profissional.
Há exatamente 2 anos comecei a fazer a isto. Em pouco tempo nos tornamos o Vendedor TOP 1% do site na categoria.
No mês que passou começamos a notar algumas movimentações em nossas operações um pouco que "estranhas" tipo vou descrever a seguir:
1 - Compradores de todos os cantos do Brasil sem nenhuma operação comprando e pagando via Mercado Pago sem fazer perguntas a respeito do produto;
2 - Em um segundo momento, exigindo a entrega de produtos mais caros que estão anunciados em outros anúncios individualizados;
3 - Após informar que o produto que o comprador quer não faz parte do anúncio (está descrito claramente no texto os produtos disponíveis), o comprador "finge" que não entendeu a resposta e NEGATIVA o vendedor;
4 - Como vendedor faço a devolução do valor pago no Mercado Pago, mas nisto o comprador efetua a qualificação de forma negativa.
5 - Tentamos contatos com telefones informados no cadastro, mas os mesmos não existem;
6 - Complementando tudo que descrevi o Mercado Livre, altera a qualificação do VENDEDOR de MERCADO LÍDER PLATINUM (O TOP TEEN DO SITE) para NADA!
7 - Isto tudo fazendo um conta onde duas atuações como as que descrevi sobre uma média de 230 operações (menos de 1%) retira o vendedor da lista dos melhores e ainda coloca a informação no site:
ESTE VENDEDOR TEVE PROBLEMAS COM ALGUMAS DE SUAS VENDAS.
8 - Ao reclamar no canal de CONTATOS, a resposta é a seguinte:
"De acordo com nossas políticas, não há motivos que desabone a qualificação atribuída por sua contraparte e, por esse motivo, ela será mantida".
9 - Ainda que reiterando o contato (vou esperando a resposta nada esclarecedora do CRM do SITE), fica a seguinte dúvida:
     a) O monopólio é interessante para o site, mas não é o ideal que vendedores alcancem nível de excelência pois acaba retirando da plataforma os vendedores com baixa performance e o site perde receita;
     b) O que o site faz para isto não ocorra: aparentemente cria artifícios ( nada éticos), para coibir a liderança de vendedores nas categorias;
     c) Estranhamente os telefones informados dos compradores NÃO EXISTEM!
Por estas e por outras assistem o vídeo da revista Exame e vamos torcer para o Ebay chegar logo e se não chegar, que tal CRIAR um novo  SITE DE VENDAS COM REGRAS CLARAS DE ATUAÇÃO?
Eu sei como fazer! Preciso do INVESTIDOR! Alguém se habilita? Rsrsrsrsrs!
Vejam o investimento de R$ 20 MM que virou R$ 58 BI do chinês no ALI BABA!

http://exame.abril.com.br/videos/arena-tech/veja-o-que-mudou-com-a-chegada-do-ebay-ao-brasil


sábado, 10 de maio de 2014

Dedinho! Histórias em Quadrinhos para promover a prática Desportiva!

Quem tinha mais de 8 anos lá pelos idos de 1971 vai lembrar do DEDINHO!
Dedinho e sua turma foi criado para propagar a prática dos esportes para crianças a partir dos oitos anos.
Dedinho vem a ser o diminutivo da sigla do DED, orgão subordinado ao MEC que significava Departamento de Educação Física e Desportos.
O personagem serviu para propagar um gigantesca campanha a época para alunos e professores a respeito da prática desportiva.
Dedinho vivia sempre suas aventuras desportivas acompanhado de seus companheiros,
Inês - Menina gulosa, por isso representada como gordinha,
Caco - Menino louro e alto, porém menor que o Dedinho.
Zeca  - Menino branco, baixo e com cabelos pretos.
Aninha - Menina que não largava sua boneca.
 Paulo - Menino e único negro da turma, que usava óculos e estava sempre bem informado sobre tudo.
A Revista teve 6 números e várias reedições. Sendo que na 3ª reedição de 1979 foi acrescentada na última página a personagem Sedinha.
Foi idealizado por Roberto Jenkins de Lemos, com roteiros de Nádia M.R de Carvalho e Mirna Pinsk e Desenhos de Randal Adôrno (que parecia conhecer a técnica de desenhar mangás! Será?).
Dedinho e sua turma são  PERSONAGENS BRASILEIROS!
Foram 6 edições de 50 páginas em cores e em papel de qualidade.
As edições vieram com os temas abaixo:
Nº 1 - Pernas, pra que te quero! – sobre Atletismo/Corridas.
Nº 2 - O Pulo do gato – sobre Atletismo/Saltos.
Nº 3 - Braço é braço – sobre Atletismo/Arremessos.
Nº 4 -  Cesta, minha gente!” – sobre Basquetebol.
Nº 5 - Bola pra cima – sobre Voleibol.
Nº 6 - Bola no barbante – sobre Handebol.
Até hoje as revistas são muito procuradas para trabalhos de teses e mestrados, pois apesar de ter sido um instrumento de propaganda de um governo militar (Emílio Garrastazu Médici), serviu fortemente a um programa de educação voltado para os desportos!
Abaixo capas das edições! Relembrem o passado dos Quadrinhos! BRASILEIROS!









sábado, 8 de fevereiro de 2014

Confraria de colecionadores quer criar museu para quadrinhos!

Grupo se reúne todos os sábados no Rio, sob o elevado da Perimetral!

Roberta Pennafort / RIO - O Estado de S. Paulo
Sábado de sol carioca, meio-dia, quase 40 graus. Eles poderiam estar na praia, mas preferem se reunir numa feira de antiguidades montada sob o elevado da Perimetral, no centro do Rio, para conversar sobre o assunto que movimenta suas vidas: gibis raros. Com cerca de 50 integrantes, a Confraria do Gibi se encontra ali há um ano, todo sábado, o dia inteiro, para trocar informações, vender e exibir suas conquistas.
A confraria reunida sob a Perimetral - Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão
A confraria reunida sob a Perimetral
Um deles é o contador Ranieri de Andrade, de 49 anos, um entusiasta desde a infância, que conseguiu amealhar um conjunto de mais de 60 mil revistas – as mais antigas são as de O Tico-Tico, a primeira a publicar histórias em quadrinhos no Brasil, a partir de 1905. Morador de Niterói, Andrade tem uma casa só para o acervo, e gasta R$ 5 mil mensais com a manutenção e o pagamento de uma funcionária responsável pelo material.
Mas o que ele quer mesmo é fundar um museu do gibi, em que tudo seja mantido catalogado, acondicionado sob temperatura controlada e protegido da umidade e de ladrões. Já há dez anos o contador vem procurando imóveis (em Niterói e no Rio) que sirva ao museu e buscando empresas que patrocinem o projeto.
“Preciso de um lugar seguro, mas é difícil. Quero um espaço e uma equipe, e não deixar as revistas guardadas num lugar onde eu só receba amigos. O quadrinho não é valorizado no Brasil e as empresas não têm interesse porque não dá visibilidade. Já tentei audiência com o prefeito. É um sonho da vida toda”, conta Andrade, que juntou várias coleções completas. O objeto de sua obsessão é Ken Parker, personagem de faroeste criado na Itália nos anos 1970.
“Quando a gente vê roubos até em lugares como a Biblioteca Nacional, fica muito preocupado”, diz Andrade, que mantém em sigilo detalhes sobre seu tesouro desde que foi assaltado, há três anos, na porta de casa. “O ladrão me perguntou sobre as revistas e fiquei apavorado. A partir dali, dividi a coleção em dois imóveis.”
Outro crime, o roubo ao escritório de Antônio José da Silva, conhecido como Tom Zé, dono da maior coleção do Brasil, há quatro meses, na zona sul de São Paulo, deixou a comunidade dos colecionadores em estado de alerta.
Acredita-se que haja assaltantes especializados – os ladrões vasculharam entre as 400 mil revistas de Tom Zé as sete mil mais raras, caso dos primeiros números de O Lobinho e A Gazetinha, almanaques dos anos 1930 e 1940 que apresentaram ao público brasileiro ícones dos quadrinhos norte-americanos, como Super-homem e Batman.
Tom Zé, assim como Andrade e outros da Confraria do Gibi, compartilham uma angústia: o que será da coleção quando eles morrerem? “É o grande dilema do colecionador. Tenho dois filhos que já têm interesse pelas revistas, mas não por paixão, e sim porque sabem o valor que têm. Se virar um bem público, acaba esse problema.”
Quando as famílias não apoiam, eles acabam vendendo o conjunto inteiro para outro aficionado por valores muito abaixo do mercado. Na feira sob a Perimetral, já apareceu americano comprando raridade para vender muito mais caro em seu país – caso de uma Gazetinha de 1938, em que o Super-homem apareceu pela primeira vez, que saiu no exterior por US$ 7.500 (quase R$ 18.000).
No caso do confrade Flavio Colin Filho, a fissura pelos gibis está no sangue. Ele é filho de um ilustrador e autor tido como mestre pelas novas gerações, conhecido no meio por As Aventuras do Anjo (1959), derivada da radionovela homônima, e O Vigilante Rodoviário, baseada no seriado de televisão, e que trabalhou dos anos 50 até morrer, em 2002. “Respirei isso a vida toda. Meu pai era um defensor do quadrinho nacional e, quando ele morreu, decidi digitalizar tudo o que tenho e resgatar o que está faltando."
O apego maior do presidente da Confraria, Hélio Guerra, é ao Fantasma Voador - são mais de 1.200 revistas, de 1939 a 1952. Já a radialista Ágata Desmond se tornou curadora do legado de Edmundo Rodrigues, autor falecido no ano passado do qual foi assistente de 1967 a 1972. Tem três mil exemplares. “Ele fez 432 revistas diferentes, era para ir para o Guinness Book. A gente luta pelas HQs para que a obra desses autores seja perpetuada."