sábado, 21 de março de 2015

A revista Xodó da Editora Monterrey de 1968 e a arte exuberante do Benício!

Poucos vão lembrar do título da revista, mas com certeza ao ver as capas dos exemplares terão alguma dúvida que já viram estas capas em algum momentos de suas vidas!
A revista Xodó da Editora Monterrey circulou em nossas bancas nos idos do ano de 1968. Era uma revista de circulação semanal e como estava grafado ao lado do título "de confidências"!
Inicialmente parecia ser uma tentativa da Editora Monterrey publicar seus contos em um formato de revista (media 20,5 X 27,5) e tinha 36 páginas.
A revista trazia na primeira capa e nas ilustrações internas a arte excepcional do mestre Benício. Na contracapa fotos de atores e cantores famosos na época. A edição nº 1 trouxe o Rei Roberto Carlos!
Interessante era que os autores dos contos eram brasileiros, mas que não eram identificados no editorial da Revista. Somente a partir da edição 13 sabemos que o autor da edição e das seguintes é Théo de Albuquerque Mello ( De "O Dia").
A revista trazia contos de amor, sexo, violência e outros mais. 
Na época o DOPS proibiu a circulação e mandou recolher nas bancas as edições 6 a 11, por motivo de atentado aos bons costumes.
A Monterrey republicou em formato de bolsilivros 4 edições da revista, sendo que no quarto livrinho colocou uma capa que não fez parte da revista original.
Os 4 bolsilivros traziam a história " O mundo me ensinou a pecar" e nestes identificavam o autor Mario de Moraes, o que não aconteceu na revista.
A revista parou de circular na edição 16, provavelmente devido a censura vigente na época!
Fica aqui o registro de uma das mais belas publicações dos trabalhos do Benício!



































quinta-feira, 19 de março de 2015

O Pequeno Almanaque do Superman 1950! O Primeiro no Brasil!


O primeiro almanaque do Superman no Brasil, já enganou muito colecionadores!
Apesar do título "Pequeno Almanaque do Superman" suas dimensões eram de 27 X 37 cm.
Ou seja, o Almanaque é considerado Gigante para os padrões de revistas na época.
Um outro detalhe importante, é que foi lançado no final do ano de 1949, portanto seria de 1949 e não de 1950 como descrito na capa. Teve 80 páginas e é até hoje um dos itens mais raros da epopeia do herói no Brasil.
Para quem só teve oportunidade de ver o Superman na Editora Abril ou Panini, vejam a capa maravilhosa da Ebal!




domingo, 8 de março de 2015

Gibi como Arte! O Museu dos Gibis no Jornal o Fluminense!

O Gibi como arte




Por: Suzana Moura 08/03/2015

Ranieri de Andrade reúne cerca de 60 mil exemplares de HQs exclusivas, no Museu do Gibi, em Niterói

Quem disse que gibi é coisa de criança? Quem nunca se pegou folheando uma dessas revistinhas em quadrinhos despretensiosamente em uma banca de jornal ou no consultório do pediatra do seu filho e acabou se divertindo lendo? Adultos que têm hábito de ler gibis são mais comuns do que você possa achar. Muitos “grandinhos”, inclusive, tornam essa prática um vício e colecionam centenas deles. São muitas as opções, exemplares raros, outros caríssimos ou de valor sentimental.
Desde a criação da Academia Brasileira de História em Quadrinhos (Abrahq), com sede provisória em Botafogo, Zona Sul do Rio, cerca de 60 mil exemplares são armazenados em um museu virtual, o Museu do Gibi, em Niterói, cujos exemplares exclusivos estão em posse do gerente de controle de negócios e colecionador Ranieri de Andrade, de 50 anos,  um apaixonado por histórias em quadrinhos. Desde que sua família veio do Nordeste, na década de 1970, e se mudou para o estado do Espírito Santo, onde seu pai foi trabalhar, sua paixão por gibis teve início. Na rua onde foram morar havia uma banca de jornal, coisa que ele nunca tinha visto antes. 
“Aquilo me encantou. Me chamava atenção as capas das revistas. Daí em diante, comprava, lia e guardava. Toda vez que ocorriam mudanças devido ao trabalho de meu pai, eu levava as revistas encaixotadas com o maior cuidado”, conta o morador de Niterói, que admite ser um apegado a todas as suas revistas. Cada exemplar, segundo ele, tem a sua história, desde a aquisição até o histórico de cada um. Ranieri conta, ainda, que valoriza muito os autores e a história de criação dos personagens. Seu predileto é Ken Parker.
“Hoje o mais caro exemplar já negociado no Brasil foi o Gibi de São João. Na maioria das vezes, o preço prevalece em decorrência do estado de conservação do item, da falta dele na coleção do comprador, entre outros fatores”, explica Ranieri, que ressalta que o Gibi de São João tornou-se muito raro, além de ter sido editado em plena Segunda Guerra Mundial, quando já ocorria a escassez de papel. Diz a lenda que um dos maiores colecionadores de revistas em quadrinhos do Brasil,  Waldo Vieira, costumava comprar e rasgar exemplares para valorizá-los. 
Mas os colecionadores passam por momentos difíceis. Segundo Ranieri, hoje, as edições estão armazenadas em lugares seguros. Já ocorreram assaltos à casa de um colecionador em São Paulo onde parte de seu acervo foi levado por uma quadrilha especializada. Já foram roubados da Biblioteca Nacional os mais raros exemplares da revista  Tico-tico e até hoje só foram recuperados um dos exemplares.
Um espaço especializado - A Academia Brasileira de Histórias em Quadrinhos nasceu do desejo do ilustrador e desenhista do famoso personagem de HQ, Jerônimo, O Herói do Sertão, Edmundo Rodrigues, de criar um espaço para reunir relíquias. Meses antes de morrer, Edmundo chamou Agata Desmond, sua produtora por mais de cinco décadas, e pediu para que não deixasse a sua obra morrer. A marca HQ Forever e a  Abrahq surgiram para lembrar a importância de resgatar a história das HQs e dos artistas veteranos, chamados imortais.
De acordo com Agata, atualmente eles estão em busca de espaço, uma sede física,  para dar início aos projetos, oficinas para roteiro, desenhos e cartoon. No último dia 30 de janeiro, Agata inaugurou a Abrahq, empossando 20 artistas que passarão a ocupar cadeiras em homenagem a desenhistas já falecidos, entre eles o próprio Rodrigues.
O acervo da Academia conta com 60 mil gibis, hoje armazenados no virtual Museu do Gibi, em Niterói, sob os cuidados de Ranieri de Andrade. Inclui, também, doações dos hoje “imortais”, além dos trabalhos de Edmundo Rodrigues e do também mestre dos quadrinhos Flavio Colin. Grande parte desses desenhos ainda tem seus originais preservados em folhas no mínimo duas vezes maiores do que o A4. A coleção é repleta de raridades: O Tico-tico, tira nacional da década de 1940; João Charuto, do mesmo período; Irina, a bruxa, um clássico do gênero de terror em quadrinhos, criado por Rodrigues duas décadas depois; Jerônimo, o Herói do Sertão, de mesma autoria; até os primeiros exemplares de Popeye que desembarcaram no Brasil por volta de 1975.
Para não adiar ainda mais o sonho da fundação da Abrahq, Agata resolveu começar o projeto ainda que fosse em uma sede provisória, onde os artistas pudessem se encontrar mensalmente. Como ela mesma diz, eles estão em coworking, em um espaço em Botafogo, onde alugam para reuniões. 
“Seguimos em busca de um patrocínio ou de um apoio governamental. Continuamos trabalhando e, quando o fruto de todo esse trabalho acontecer, teremos um lugar definitivo”, antecipa Agata, que chama a atenção para o fato de que o espaço respeita a arte dos quadrinhos e dá a ela a devida importância.
“Era o sonho do Mestre Rodrigues e creio que também é o de muitos artistas, ver as histórias em quadrinhos serem respeitadas e os bons trabalhos repercutindo  e acontecendo, ao ponto do artista poder viver do próprio talento.  A mensagem que deixo é: Não olhe para a dificuldade, não pense nisso ou naquilo. Apenas faça, realize o seu sonho, seja ele qual for. Dê o primeiro passo e deixe que a vida se encaminhe do resto. Não tenha medo de realizar!”, aconselha.



segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Almanach do Tico Tico 1907! O 1º Almanaque de Quadrinhos do Brasil!

Abaixo as imagens de um dos mais raros exemplares de revista em quadrinhos publicado no Brasil!
Trata-se do primeiro almanaque da revista do Tico Tico!
Devem existir uns 5 exemplares nas mãos de colecionadores!
Até a edição da Biblioteca Nacional encontra-se desaparecido!
Lindo não?




domingo, 25 de janeiro de 2015

Primeiras publicações do Super-Homem no Brasil em Dezembro de 1938!

Estás imagens são para trazer americanos ao Brasil para pagar os valores com que vendem seus exemplares nos Estados Unidos!
Como sabem a primeira aparição do Superman deus-se em Junho de 1938.
O que poucos sabem é que em Dezembro de 1938, o mesmo foi publicado no Brasil no jornal a Gazetinha e em um álbum especial em 1939, intitulado "Album nº 1 da  Gazetinha Super-Homem!
Curtam as imagens de exemplares únicos que faz até com que americanos desejem nossos exemplares!






segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

OS PREMIADOS DO 31º TROFÉU ANGELO AGOSTINI! Prêmio Jayme Cortez: Confraria do Gibi!

Estamos todos os confrades muito orgulhosos e envaidecidos da premiação!
Nosso presidente Hélio Guerra e a nossa 1ª Dama Ágata Desmond estarão no dia 31 de Janeiro 2015, recebendo o prêmio em nome de uma legião de confrades!
Para quem ainda não conhece, a Confraria nasceu em sábado no Rio de Janeiro em um lugar muito especial que é a feira de antiguidades da praça 15.
Tudo começou meio que timidamente com alguns intusiastas colecionadores de revistas em quadrinhos.
Como toda grande idéia, ela nasceu pequena, tímida e porquê não dizer humilde.
Os confrades foram chegando, mesmo com seus compromissos importantes, sempre dedicaram um sábado de seus preciosos dias a incentivar a idéia da Confraria!
A Ágata incansável, sempre comparecendo e divulgando os encontros!
Começamos a receber confrades de todo o Brasil e até de outros países!
Importante, quem são os Confrades? Desenhistas, cartunistas, chargistas,jornalistas, médicos, advogados, contadores, professores, aposentados, juizes, empresários e etc... Mas todos admiradores das histórias em quadrinhos!
Obrigados a todos pelos votos e o reconhecimento!
Outra coisa, caso queiram comparecer ao evento:
A festa e cerimônia de entrega dos troféus acontecerá no sábado, dia 31 de janeiro de 2015, a partir das 13 horas, no MEMORIAL DA AMÉRICA LATINA (Auditório da Biblioteca) com ampla programação que será divulgada nos próximos dias.
EU VOU!

OS PREMIADOS DO 31º TROFÉU ANGELO AGOSTINI



Com a votação encerrada no último minuto do dia 15 de janeiro, uma comissão formada por Alexandre Silva, Marcos Venceslau e Bira Dantas (membros da AQC), iniciaram os trabalhos de apuração. No total, foram 7.302 votos recebidos pela internet.

Agradecemos a todos que participaram desta votação aberta e democrática do melhor do quadrinho brasileiro.
Os premiados são esses:

Melhor Desenhista: Mario Cau
“Morphine”: Dramas pessoais e experiências narrativas « Papo de Quadrinho

Melhor Roteirista: Felipe Cagno
 321 - Fast Comics reúne autores nacionais e já está à venda

Melhor Cartunista: DaCosta
Professor Osvaldo da Costa é homenageado no XVI PortoCartoon, em Portugal

Melhor Lançamento: YESHUAH, Onde tudo está - por Laudo Ferreira Jr e Omar Viñole
Quadrinhistas tentam resgatar Jesus do cânone religioso na HQ "Yeshuah"

Melhor Lançamento independente: "Nenhum dia sem um traço", de Ernani Counsandier
Nenhum dia sem um traço traz o trabalho do quadrinhista gaúcho Ernani Cousandier

Melhor Fanzine: 3ADFZPA - Terceiro anuário de Fanzines, Zines e Publicações alternativas
Lançamento triplo!

Melhor Web Quadrinho: Blue e os gatos, de Paulo Kielwagen
BLUE

Prêmio Jayme Cortez: Confraria do Gibi
http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,confraria-de-colecionadores-quer-criar-museu-para-quadrinhos,1127954

MESTRES DO QUADRINHO NACIONAL: Gustavo Machado, Carlos Edgard Herrero e Murilo Marques Moutinho

Lembrando a todos que a festa e cerimônia de entrega dos troféus acontecerá no sábado, dia 31 de janeiro de 2015, a partir das 13 horas, no MEMORIAL DA AMÉRICA LATINA (Auditório da Biblioteca) com ampla programação que será divulgada nos próximos dias.

domingo, 18 de janeiro de 2015

O Tico Tico Edição Extraordinária! Mickey! Dezembro de 1934!

Amigos leitores e colecionadores, a seguir as imagens de um dos exemplares mais raros da linha Disney publicados no Brasil!
A Edição Extraordiária de O Tico Tico de Dezembro de 1934 com Micrey!
As imagens foram fornecidas pelo amigo Alan Bebiano.
Há anos procurava encontrar o raro exemplar, pois segundo os grandes colecionadores a edição havia sido lançada, mas ninguém tinha uma exemplar que pudesse confirmar a lenda.
Está aqui a confirmação!
A raridade deve-se principalmente a ser a primeira edição da Disney publicada no Brasil no formato Comic book e também com a exclusividade do personagem Mickey.
Para que tenham idéia da preciosidade somente em 1930 o Mickey foi publicado nos Estados Unidos no formato Comic!
Outro detalhe é que o Tico Tico não publicou este no seu formato tabloide e sim Comic Book!
Mais uma lenda dos quadrinhos revelada! Agora a luta para encontrar um exemplar tão bem conservado quanto o Alan!